O Anjo-da-Guarda de Arto Halonen e Kevin Frasier


«O caso Hardrup-Nielsen é um dos mais inacreditáveis da História e chegará, em breve, às salas de cinema



Em 1951, um homem caminha pelas ruas de Copenhaga como se estivesse sem rumo. Palle Hardrup dirige-se para um banco, dispara contra o gerente e um funcionário e foge com o dinheiro. Quando é preso e interrogado afirma não se lembrar de nada e as testemunhas oculares corroboram que ele parecia estar numa espécie de transe.

O investigador Anders Olsen descobre que quando Palle cumpria pena de prisão esteve na mesma cela do carismático Björn Nielsen. Juntos, fizeram yoga e meditação – e Olsen começa a suspeitar que Nielsen o hipnotizou e lhe ordenou que roubasse o banco. Anders também suspeita que Nielsen é o misterioso Anjo-da-Guarda, que Palle afirma que lhe envia mensagens de Deus.

Mas este homem foi um ex-colaborador nazi e tudo indica que de facto, alguém quer que arque com as culpas. Quanto mais investiga mais a sua saúde mental começa a entrar em colapso com as maquinações que vai descobrindo e com a hipótese aterradora de alguém poder manipular outra pessoa para cometer um crime.


 
Arto Halonen é um director de cinema e guionista, conhecido pela sua vincada consciência social em relação aos seus objetivos. É uma das poucas pessoas no mundo que entrevistou o assassino Palle Hardrup.

Kevin Frazier é um romancista, escritor de ficção, ensaísta e revisor que mora em Helsínquia. As colaborações anteriores entre Halonen e Frazier incluem o premiado documentário Shadow of the Holy Book.

http://www.planeta.pt/

Posted in , , | Leave a comment

Roteiro Cafés de Especialidade (Porto) #RoteiroCafesPortugal

Como sabem uma das coisas que aprecio é o bom café. Os chamados cafés de especialidade.

Sim, sou da opinião que não faz sentido não se permitir ser exigente com o que diariamente bebemos e aceitar simplesmente um mau café sem nunca ficar a conhecer as potencialidades do mesmo. Aprecio o sabor de um bom café arábico.

Quanto ao aroma e sabor o café tem múltiplas variedades que prometem satisfazer os mais exigentes palatos. Há sabores  citrinos, ácidos, doces, desde toques que lembram o chocolat
e até às peculiares notas de caramelo entre muitos outros. É só permitir-se saborear e deixar-se seduzir pela virtuosa essência de um bom café.

Para quem não sabe sou o "maluquinho" que compra café em grão (recém torrado), que pesamói o café momentos antes da extração quer seja através de máquina expresso, cafeteira francesa, aeropress ou V60. Mas não é preciso tanto para beber bom café...

Quanto ao espaço que hoje aqui vos trago:

Escondido numa viela, a escassos metros das margens do Rio Douro, em Vila Nova de Gaia está o  7g (7groasters). O nome do espaço deduzo eu que tenha a ver com as 7g que são necessárias para fazer o expresso perfeito (mais isso é uma dedução pessoal).

É um espaço decorado com muito bom gosto, era um antigo armazém de velharias.

Com uma dimensão satisfatória permite acolher grupos. Divide-se num espaço coberto e numa espécie de esplanada. Como está entalado entre outras construções acaba por estar resguardado das desagradáveis nortadas que muitas vezes dão o ar da sua graça por estes lados. Ainda assim, julgo que uma estrutura de vidro amovível no cimo da esplanada, permitiria aproveitar a esplanada nos dias de chuva e não poria em causa os deliciosos raios de luz que dali provêm e que muito realçam a beleza do espaço.

No espaço coberto, há um espaço "aberto" que (presumo) permite ver o processo da torra. Infelizmente, enquanto lá estive não tive a oportunidade de testemunhar esse processo.


Dispostos pelo espaço interior é possível encontrar e comprar alguns acessórios e o próprio café (com o selo 7g) para poder levar para casa.


Como um café de especialidade que se preze tem baristas (profissionais qualificados e habilitados a tirar café de forma a propiciar e realçar as suas naturais características) este espaço não foge à regra.

Outro dos apelativos deste espaço é um dos profissionais mais reputados do nosso pais, o barista David Coelho, campeão Português em 2014 e bi-campeão em 2016 e 2017, com quem já tive a oportunidade de trocar algumas palavras mas que estava de férias durante a minha visita. :(

A minha experiência: Tive a oportunidade de provar o café e mais tarde, nesse mesmo dia numa segunda visita, lanchar no espaço.

Quanto ao preço, como sabemos a qualidade paga-se, por isso foi com surpresa que deparei com um café de especialidade (expresso) a € 1,00, nada de extravagante, convenhamos. Tive à escolha café do Brasil, Panamá e duas variantes de Etiópia. A minha escolha para o expresso foi uma das variantes de Etiópia e no lanche no cappuccino e no latte foi o blend arábico da casa recomendado pela pessoa que nos serviu.

Há outros espaços no Porto que apregoam ter café de especialidade e que cobram bem mais e ainda assim ponho muitas duvidas quanto à sua qualidade! Duvido da frescura do grão utilizado desses cafés, tal como das condições em que guardam o referido café. E infelizmente dão má reputação e uma ideia errada do que é o café de especialidade. Por isso € 1,00 parece-me um preço mais do que justo e mais que tudo um integro e honesto convite a provar um bom café.


O único detalhe que teve uma nota de desagrado da minha parte foi o copo de água que diligentemente acompanhou o café. A água tinha ligeiro sabor, pretenderia-se que fosse insípida. Quando tive a oportunidade de dar a nota ao pessoal garantiram-me que era filtrada mas concordaram com observação.

Quanto ao pessoal, foi simpático e atencioso, mesmo quando abordado com duvidas e uma ou outra opinião/sugestão. ;)


Classificação: 4.9*
Tendo em conta:
Espaço (Ergonomia, Tamanho, Localização): 5*
Atendimento, logística, restante serviço e restantes produtos: 4,8*
Café: 5*

Leave a comment

Opinião: O Pântano dos Sacrifícios de Susanne Jansson

 



Em tempos, realizavam-se oferendas humanas em pântanos.

Agora, há pessoas a desaparecer…

Crê-se que antigamente os pântanos eram usados como locais onde se realizavam sacrifícios humanos. Por serem pobres em oxigénio, estes terrenos atrasavam o processo de decomposição dos corpos, levando à sua preservação. Há por isso quem acredite que as almas lá enterradas não conseguem encontrar descanso, atraindo até si novas vítimas.

Nathalie Nordström é uma jovem bióloga que se desloca até a um pântano no norte da Suécia para realizar uma experiência de campo. Nathalie cresceu naquela zona, mas partiu quando uma terrível tragédia se abateu sobre a sua família.

Numa noite de tempestade, um mau pressentimento leva-a até ao pântano. Lá encontra um homem inconsciente, prestes a afundar-se. A polícia começa a investigar o caso e acaba por encontrar cadáveres ali enterrados.

Estará o pântano a reclamar mais sacrifícios, como alguns habitantes locais acreditam?.
. .


É um livro com uma mística muito peculiar. Este é o livro que serve perfeitamente quem gosta de um toque de sobrenatural. A autora tenta manter sempre um manto denso de nevoeiro sobre a história. 


A personagem central do livro é Nathalie, bióloga, uma jovem que regressa à sua terra natal sob o pretexto de estudar as características do pântano. No seu passado existem duas histórias trágicas que a atingiram no âmago e mudaram por completo a sua vida e que só serão reveladas mais para o final do enredo.


O pântano representa também ele um papel relevante, dir-se-ia uma personagem omnipresente em toda a trama, que evoca o misticismo, o mistério e mantém aquela névoa que convenientemente desfoca e coloca em dúvida o leitor. 

Para adensar a sua relevância, neste pântano havia sido encontrado um corpo de uma jovem da idade do ferro, corpo que ficou preservado devido à composição especial destes solos aquosos. Especula-se ainda que estes pântanos eram escolhidos para fazer sacrifícios humanos! Uma série de desaparecimentos mal explicados ao longo dos anos alimenta alguma especulação por parte de alguns dos habitantes.

Outra das personagens que acaba por contextualizar várias das personagens secundárias é Maya, fotógrafa artística e forense, que tenta descobrir numa primeira fase quem atacou Johannes, um jovem estudante, que caiu inanimado perto do pântano. Pelo caminho sente-se atraída pela inusitada história que acompanha aquele pântano. E no final vê-se em mãos com um mistério bem mais complexo e possivelmente mais perigoso do que previra.

Apesar de gostar mais de thrillers psicológicos que envolvam mistérios bem mais "terrenos" não pude deixar de sentir-me intimidado pela história o que me levou a mergulhar mais e mais na trama. Pensar na sua componente real ajudou desde logo a olhar a história sobre outra perspectiva bem mais propensa, receptiva e ser bem menos céptico. Para mim esse foi um trunfo muito bem explorado pela autora.

Convido e provoco o leitor a um mergulho nesta peculiar trama. ;)

Deixo aqui um link para quem goste desta temática e esta é concerteza uma das fontes (histórias) que serviu a história. "O mistério dos corpos de mais de 2 mil anos achados em pântanos da Dinamarca" Fonte: BBC Brasil http://www.bbc.com/portuguese/vert-tra-38102988
.












Posted in , | Leave a comment

A Mulher Entre Nós de Greer Hendricks e Sarah Pekkanen

Aos 37 anos, a recém-divorciada Vanessa está no fundo do poço. Deprimida, a morar no apartamento da tia, sem filhos, sem dinheiro e sem amigos verdadeiros. Richard, o seu carismático e rico marido, era tudo para ela. Mas, ao descobrir que ele está prestes a voltar a casar, algo dentro de Vanessa se desfaz. A partir de agora, na sua vida, só existirá uma única obsessão: impedir esse casamento. Custe o que custar.

Nellie é como qualquer outra jovem bela e sonhadora que chega a Manhattan para começar a sua tão sonhada vida adulta. Mas a personalidade tranquila que ostenta é apenas uma fachada. Na sua cabeça perdura o segredo que a faz fugir da sua cidade natal e que a impede de caminhar sozinha para casa.

Ao conhecer Richard - bem-sucedido, protector, o homem dos seus sonhos -, Nellie começa finalmente a sentir-se segura. Ele promete protegê-la de tudo para o resto da sua vida. Mas, de repente, começa a receber chamadas misteriosas. Algumas fotografias são mudadas de lugar no seu quarto. Alguém a persegue, alguém quer o seu mal. Mas quem?



Greer Hendricks trabalha como editora de livros há mais de duas décadas. Também colabora com o The New York Times e Publishers Weekly. A Mulher Entre Nós é o seu primeiro romance.

Sarah Pekkanen, norte-americana, é uma autora bestseller internacional, com quatro romances já publicados e outros três a caminho.

Os seus livros já foram publicados em vários países como China, Austrália, Alemanha, Itália, Holanda, Polónia, Canadá e Espanha, e os seus romances são êxitos sucessivos de vendas.

Escreveu para vários jornais e revistas como a People, o Washington Post e o USA Today. Atualmente vive com o marido e com os três filhos em Maryland, nos Estados Unidos.
 

Posted in , , | Leave a comment

Mulheres da Noite de Sara Blædel

«Sara Blædel é incrivelmente talentosa em manter o leitor preso ao livro mesmo quando este preferiria desviar o olhar nas cenas mais gráficas. Recomendado para fãs de Camilla Läckberg.» —Library Journal
 
A visita inédita a Portugal da Rainha Dinamarquesa do Thriller, Sara Blaedel — estará amanhã para a abertura da FLL, às 15 horas, dias 26 e 27 
Ninguém sabe exatamente quem é a mulher que aparece degolada numa das zonas mais mal frequentadas de Copenhaga.

Quando a inspetora Louise Rick chega ao local, rapidamente percebe que se trata de uma prostituta. Na Dinamarca, no entanto, a prostituição é legal e não anda de mãos dadas com o crime. Quem estará, então, por detrás desta morte? Isso é o que a imprensa quer saber, e o caso torna-se rapidamente mediático.

Quando Louise recebe um telefonema da sua amiga jornalista Camilla Lind, pensa que ela quer informações acerca do crime.
Mas o que Camilla lhe quer contar é que encontrou um bebé embrulhado numa toalha, no interior da igreja que frequenta. E o bebé não tinha um dos dedos do pé.

Estarão ambos os casos relacionados? Conseguirá Louise resolvê-los aos dois? E será que o que está a acontecer em Copenhaga tem ramificações ainda maiores?

Sara Blædel consegue, com o talento a que nos habituou, entrelaçar duas narrativas intensas e emocionantes, com Camilla Lind a surgir como a companheira perfeita para a nossa já bem conhecida Louise Rick.


Sara Blædel iniciou a sua carreira literária como fundadora de uma editora especializada em policiais e thrillers. 

Este trabalho aproximou-a do jornalismo, onde acabou por cobrir uma vasta gama de histórias policiais e julgamentos. Foi nessa altura – e enquanto esquiava na Noruega – que começou a imaginar a trama do seu primeiro romance, Green Dust , com o qual venceu o primeiro de inúmeros prémios, The Danish Crime Academy’s Debutant Award.
As Raparigas Esquecidas (Ed. Topseller, 2016) é o seu livro mais aclamado, o qual foi contemplado em 2015 com o Gyldne Laurbaer, o mais importante prémio literário
.



Posted in , | Leave a comment

Opinião: Tenho de Saber de Karen Cleveland



 



Vivian Miller (Viv) é uma dedicada analista de contraespionagem que tem por missão descobrir os chefes das células de agentes «adormecidos» a operar nos Estados Unidos. Prestes a alcançar uma promoção de que muito necessita, criou um sistema para identificar os agentes russos que levam uma existência aparentemente normal à vista de toda a gente.

A vida de Viv parece perfeita. Tem um excelente trabalho na CIA e um marido amoroso, Matt. Na CIA cria algoritmos para identificar e desmantelar as organizações russas que se tentam infiltrar no país. Um dos algoritmos permite-lhe encontrar um homem de nome Yury, que a CIA acredita ser um manipulador. Através dele esperam encontrar os cinco agentes que controla. Viv entra no computador de Yury e, fica surpreendida por não encontrar documentos encriptados, como pensava e em vez disso encontra uma pasta de nome Amigos com grande facilidade.

Viv fica em êxtase, pensando que por fim encontrou os cinco agentes. Mas de súbito enquanto olha para as fotografias que a pasta contém, o coração cai-lhe aos pés quando vê uma fotografia do seu marido Matt. Decide interrogá-lo antes de reportar a descoberta à chefia, mas pensa que deve ser um erro a fotografia do marido naquela pasta. Quando o confronta, ele choca-a ao assumir que trabalha para a Rússia há vinte e dois anos.

Vivian jurou defender o seu país contra todos os inimigos, tanto externos como internos. Mas agora deparam-se-lhe escolhas impossíveis. Dilacerada entre a lealdade e a denúncia, a fidelidade e a traição, o amor e a suspeita, em quem poderá confiar?.
. .



Para quem gosta de livros de alta espionagem este será um livro interessante para passar umas boas horas.

É um livro “leve”, comparado com o tipo de livros que tenho lido nos últimos tempo. :)
A história tem foco de uma forma intencional na personagem principal: Viv.

Vivian Miller (Viv) é uma analista de contra-espionagem que tenta descobrir, através de um algoritmo criado pela própria, os famosos "agentes adormecidos russos": agentes que mantêm uma vida aparentemente normal como qualquer outro cidadão até ao moment
o que são chamados a intervir (despertados!).

Em casa, Viv sofre pelo facto do seu trabalho ser tão absorvente que não lhe dá a disponibilidade que gostaria para tratar dos seus filhos, para fazer aquelas pequenas tarefas quotidianas junto deles. 
Vive com um constante sentimento de culpa por essa "pseudo-negligenciação". Contudo tem um marido maravilhoso, que se ocupa de levar os filhos à escola, prepara as refeições e tem sempre a atitude correcta e oportuna para as constantes indagações dos pequenos. 
Infelizmente as obrigações e necessidades financeiras não permitem Viv largar o emprego. Um empréstimo bancário para a casa e a necessidade de manterem um seguro face aos problemas de saúde que um dos filhos apresenta são argumentos de peso.

Mas o problema surge quando no decurso de uma investigação do computador de um suposto espião russo se depara com uma foto do seu marido! Será ele um agente adormecido? Será um engodo da eficiente máquina Russa destinado a desviar a sua atenção? O que deve fazer? Expor o marido? Investigar? Família ou CIA? Terá Matt sucumbido às diligentes seduções russas?

O mundo de Viv desabou! A incerteza instalou-se.

Mas as perguntas não se ficam por aqui pois esta possível descoberta revela uma questão bem mais profunda: conhece ela o homem com quem decidiu partilhar a vida?

Levanta-se a velha questão de sempre: nós podemos garantir que conhecemos realmente uma determinada pessoa?

É um enredo que vive da constante dúvida da personagem. No seguimento da história, Viv vai relembrando o seu passado, vai procurando indícios que a possam tirar da dúvida. Mas tudo é dúbio como convém.

Tal como na nossa vida, tudo é adaptável à realidade/teoria que queremos acolher... Nada é certo e tudo é possível.

A experiência profissional da autora, ex analista da CIA, explica o cenário e o à vontade com que construiu o cenário que envolve esta trama. As subtilezas de uma vida secreta, a compartição necessária da informação, a entrega ao trabalho e o binómio vida profissional vs vida pessoal, está tudo lá.

Estou curioso por ver como o filme (da Universal Pictures) vai abordar esta história, como Charlize Theron (a protagonista e a realizadora) se vai sair e de que forma vai conseguir colocar a tensão ao rubro que a história exige. 

Se pretende umas boas horas de leitura este é o livro que procura. Boas leituras.




Posted in , , | Leave a comment