Opinião: Vermelho como o Sangue de Salla Simukka




Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.
 
Lumikki Andersson tem 17 anos e vive sozinha num pequeno apartamento, na cidade onde frequenta uma prestigiada escola de Artes. 


Lumikki é solitária, independente, e gosta da liberdade. Na escola prefere dedicar-se aos estudos e ignorar os grupinhos que se vão formando. Não se meter naquilo que não lhe diz respeito é, para ela, uma regra fundamental. 


Mas essa regra vai ser posta à prova no dia em que encontra uma incrível quantidade de notas de quinhentos euros penduradas a secar no laboratório fotográfico da escola e que tudo indica terem estado manchadas de sangue. Em poucas horas, Lumikki, juntamente com três dos seus colegas, vê-se enredada numa sombria conspiração.


Lumikki Andersson 17 anos, inteligente, independente, com escassos recursos financeiros é uma "outsider"que privilegia a descrição. Aperfeiçoou ao longo do tempo formas de passar despercebida e assim não atrair excessivas atenções sobre si mesma. 

No entanto, a surpreendente descoberta de notas ensanguentadas e a sua curiosidade levam-na a mergulhar no mundo do crime.


Este livro é direccionado para jovens adultos (YA), e é, na minha opinião, uma excelente porta para o sub-genéro literário do nordic noir.



Gostei especialmente da forma como o livro evoluiu, da tensão e da irreverência criada, com astucia, entre os jovens personagens. Gostei de um discurso coerente e realista quanto à sexualidade, em oposição à falsa inocência que muitas vezes a literatura americana "YA" nos presenteia neste segmento. Embora não haja muitas reviravoltas no enredo, parece-me que o livro foi muito bem conseguido e deixou várias linhas em suspenso para os restantes livros da trilogia, sem comprometer o desfecho do livro.


Quanto às personagens, Lumikki revela-se uma personagem misteriosa e atraente levando o leitor a desenvolver, ao longo do livro, uma genuína empatia por ela. Os conflitos internos da personagem adensam a curiosidade sobre a necessidade daquela reclusão a que se auto confinou, impulsionando uma leitura mais fluida e ávida.



O livro passa-se essencialmente nos finais de Fevereiro e inícios de Março em Tampere, numa cidade da Finlândia. Retrata temas como o bulling, a corrupção, as drogas, e homicídio. E oferece relatos espantosos do tempo rigoroso e dos seus efeitos nefastos sobre as personagens.


A escrita de Salla é atractiva e mostra-se muito dinâmica.


Gostava de deixar aqui uma nota quanto à tradução. A tradução, como sabem, pode condicionar uma obra, quer positivamente quer negativamente. Há relatos que a tradução deste livro para inglês quebrou a fluência e influenciou a intensidade da escrita da autora. Contudo este livro terá uma particularidade, foi traduzido directamente de Finlandês para Português. A tradução foi apoiada pela FILI (Finnish Literature Exchange) que é uma organização que zela pela promoção da literatura Finlandesa. Factos que a meu ver são uma mais valia, possibilitando o incremento da qualidade da obra.


Recomendo.



This entry was posted in , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Opinião: Vermelho como o Sangue de Salla Simukka

  1. Bom dia!!!
    Uau!!! Que vontade de o ler. Já tinha lido a sinopse, mas com a tua opinião fiquei muito mais interessada no livro.
    Obrigada
    Um abraço

    ResponderEliminar